Fazer o que é certo sempre

novembro 30, 2017

Fazer escolhas é algo que faz parte da vida, o bom mesmo é quando escolhemos fazer o que é certo, estar em paz consigo mesmo não tem preço.

Não é nenhuma novidade que vivemos em um mundo onde a competição, os péssimos hábitos e a malandragem andam soltos por aí. Quem aqui nunca ouviu que hoje em dia ser honesto é motivo de agradecimento quando na verdade deveria ser uma premissa básica em qualquer um.

Esse tema me veio à cabeça, pois recentemente terminei de assistir a segunda temporada da comédia The Good Place, protagonizada pela incrível Kristen Bell, série que eu recomendo para quem não conhece, por sinal, disponível na Netflix. Nela o personagem Chidi Anagonye, interpretado muito bem, diga-se, por William Jackson Harper, é um professor de ética que devido ao seu enorme senso de justiça é por várias vezes chamado de “estraga prazer” e “nerd”, mas que no fim das contas é o personagem mais confiável e adorado pelas próprias pessoas que o chamam dessa forma.

Cena da série The Good Place, um dos vários momentos onde o personagem Chidi (Willian Jackson Harper) tenta guiar   Eleanor (Kristen Bell) a fazer a coisa certa.
É nesse cenário que eu digo que fazer o que é certo sempre é o caminho. Não baseado pelo que é mostrado em um programa com fins comerciais, mas pelo que vemos no dia a dia. Mas como saber o que é certo, uma vez que em alguns casos esse pode ser um conceito subjetivo? Às vezes o certo pra mim não é para uma outra pessoa.

Na realidade solucionar essa questão é mais simples do que parece, mas antes aqui se faz necessário uma ressalva. Evidente que em casos mais específicos, não têm muita dúvida, como não ser um FDP, por exemplo, ou em situações onde existam uma série de variáveis que poderão alterar esse julgamento. Não são desses casos a que me refiro.

Dito isso, a resposta para o questionamento posto acima não é muito complicada. E penso que não é, pois todos nós temos algo chamado consciência, e cada vez que a pessoa se vê diante de uma situação onde o fazer o certo está em jogo é ela que deve ser usada, e pensar se gostaria daquilo para si mesmo. Dizer isso parece meio óbvio, mas é sempre importante repassar.

Estive pensando sobre isso, em o quanto é bom ter a consciência tranquila, saber que a sua parte você fez, mesmo que os outros não tenham feito as deles. Perguntar a si mesmo se você vai ficar confortável e tranquilo com a decisão tomada é a chave.

Claro que ninguém é perfeito, às vezes a gente vai pisar na bola mesmo, e acabar fazendo algo que vai contra aquilo que acreditamos, é normal, é a vida, o mais importante é tentar melhorar sempre e tentar ser alguém mais próximo do que a gente considera como ideal.

Isso passa muito sobre o tipo de pessoa que você quer ser, se é alguém covarde, que mente, engana, que passa por cima dos outros ou alguém corajoso, que busca acima de tudo estar em paz consigo mesmo. Dito assim tudo fica mais limpo né!?

Evidente que não tô aqui pra julgar ninguém, cada um é responsável por suas próprias ações, sejam elas boas ou ruins, no fim das contas será cada indivíduo que irá conviver com elas e suas consequências.

Mas se existe algo que nos deixa satisfeitos é saber que fizemos a escolha certa, acredito muito em carma e certamente isso voltará em algum momento.

You Might Also Like

7 comentários

  1. Oi, Handerson!
    Gente, eu sou um Chidi da vida: sempre tento fazer o que é certo e se faço algo errado, fico com a consciência pesado uma tonelada; fico malzona mesmo.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe das promoções em andamento e ganhe prêmios maravilhosos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Luiza!! hahah Chidi nos representa! Eu também, sempre que faço algo que vai contra o que acredito, fico remoendo isso por semanas hahah
      Beijoss!

      Excluir
  2. Adorei o paralelo com The Good Place, que eu amoooooo!
    Mas a segunda temporada ainda não acabou. Está em hiato só :D
    Ótimas ponderações.
    Realmente, hoje ser honesto é motivo de agradecimento e até de matérias jornalísticas, quando, na verdade, deveria ser o mais do que comum.

    Beijooos

    www.casosacasoselivros.com
    www.livrosdateca.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oláa Teca!!
      Que bom que gostou, ahh série é incrível mesmo, fiquei super viciado e assisti as duas temporadas praticamente de uma vez. E olha...hahah eu achei que tivesse terminado, só depois que você disse que fui olhar e realmente ainda não acabou, ainda bem né!
      Simm, vejo o quanto o mundo esta maluco quando passa essas matérias.
      Bjão!!

      Excluir
  3. EU AMO ESSA SÉRIE e vários questionamentos que ela levanta de maneira super sarcástica e engraçada. O perfil da Eleonor é muito estereotipado, acho que ela é o extremo de uma pessoa que simplesmente ligou o foda-se pra tudo, mas nos ensina muita coisa - e adorei ver a maneira como tu levou isso pra uma discussão super interessante nesse texto!

    Beijos,
    brilhodealuguel.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oláa Thayse!! A série é maravilhosa né!? hahah Tem toda essa coisa de passar uma imagem meio que subliminar, o equilibrio entre Chidi e Elanor, que são extremos e tal. E entendemos depois um pouco sobre os motivos pra ela ser assim né.
      Fico feliz demais que tenha curtido.

      Bjão!

      Excluir
  4. Oii Handerson, eu amei seu texto, e acredito muito em carma tbm, quanto mais coisas boas fazemos mais a vida nos retribui, é a lei do retorno.
    - Beijos, Carol!
    http://entrehistoriasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Obrigada por me visitar!
Beijos.

contatoooldr@outlook.com

Canal

Canal
Se inscreva!

Facebook

Estou lendo

Estou lendo
A Maldição do Tigre