Diário da Raposa #11: Preconceito musical


Pode parecer um assunto batido, mas ainda tem gente que tem MUITO preconceito musical. Esses dias fiz uma playlist com artistas que são muito criticados, mas que ainda assim continuam fazendo sucesso e o resultado disso foi que eu parei pra pensar em algumas coisas que hoje decidi compartilhar com vocês.

O que eu vejo bastante no meu meio social é o preconceito que algumas pessoas tem com o gosto musical dos outros. Até certo ponto é aceitável rolar uma brincadeira para encher o saco do amigo que gosta de determinado estilo musical que o outro considera "brega". Mas isso às vezes passa do ponto e as pessoas podem acabar ofendendo umas às outras.

A questão é que exitem pessoas que se sentem superior em relação à outras e isso se manifesta também no gosto musical. Eu mesma já me senti assim e hoje reconheço o quão boba eu estava sendo.

Porque ninguém é melhor do que ninguém em nenhum sentido e isso inclui no gosto musical. Mas algumas pessoas acham que, só pela outra gostar de artistas como, por exemplo, Anitta, Justin Bieber e afins (que foram artistas que usei da play), elas são inferiores.

Isso acontece mesmo e não adianta negar ou tentar mascarar sempre como brincadeira porque isso pode incomodar quem gosta desses artistas. Ninguém gosta que falem mal do artista que você curte, até porque parece que nós mesmos estamos sendo criticados.

Sim, todo mundo tem direito de ter sua própria opinião, mas se sua opinião não vai fazer bem a ninguém que sentido tem de ficar falando mal do artista que a pessoa curte na frente dela? Só vai chatear a pessoa.

Mais uma vez reforço a ideia da empatia. Se coloque no lugar do coleguinha e pense se você apreciaria esses comentários se fossem dirigidos ao artista que você gosta.

Acho que a vida seria muito mais simples se a empatia fosse praticada com mais frequência e se as pessoas parassem de atacar umas às outras com coisas que, sinceramente, não acrescentam em nada.

Comentários

  1. Olá Rai,
    Isso acontece muito mesmo, mas não me sinto assim, sabe? Eu não gosto de muitas bandas, cantores ou músicas, mas não tenho preconceito com as pessoas que curtem, eu apenas não ouço, é simples.
    Seu post não podia ser mais pertinente e espero que muitas pessoas se toquem que isso é ridículo.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  2. SUUUUUUUUPER concordo com a senhora. Eu não curto a maioria dos gêneros musicais nacionais, mas não é por isso que vou ficar enchendo o saco dos amiguinhos Só não gosto e não escuto, pronto. Mas não posso obrigar ninguém a tirar a música que tá ouvindo porque eu nao curto, né?

    Se todo mundo se respeitasse o mundo ia ser tããão mais legal, ai ai :(

    beijo
    beinghellz.com

    ResponderExcluir
  3. Olá!

    Se você diz (e corretamente) que pessoas sofrem preconceito por gostar de Anitta e Bieber, que são nomes de sucesso da atualidade, não queima imaginar o que eu escuto quando digo que gosto da Laura Pausini e da Céline Dion (aliás, você sabe). Já perdi até vaga de estágio por isso. A diferença, eu acredito, é que esses que você citou e outros mais é que, mesmo sendo criticados, eles continuam fazendo sucesso. As que eu escuto também, mas não tem o apelo em nosso meio social (pelo menos é o que eu vejo). Ah, eu não tenho nada contra quem ouve os citados, mas eu não escuto é por questão de identificação mesmo.

    ResponderExcluir
  4. Quanto eu já fui zoada por ter sido fã de Jonas Brothers, ainda que fosse tudo no tom de brincadeira, de algumas pessoas eu percebia que era aquela história da brincadeira que é verdade. Depois disso até tinha uma certa vergonha de admitir do que eu gostava, quando eu comecei a gostar pra vale de One Direction, as pessoas perguntavam "você gostam deles?", naquele tom de "REALLY?!", eu tinha um receio de admitir e falava "ah, não é que eu seja fã, eles tem umas músicas legais...", até que um dia eu cansei de ficar mentindo, afinal não devo nada pra ninguém nesse mundo (se devo algo pra alguém é para os meus pais, que me criaram e deram do melhor pra eu crescer e ser quem sou hoje), então não tenho que ter vergonha. Hoje falo pra quem quiser ouvir, que amos One Direction e se reclamar eu ainda forço a pessoa a ouvir o último álbum deles (sério).
    E é engraçado isso, porque tenho uma amigo que gosta muito de rock, um dia indo com outro amigos para Comic Con (esse amigo do rock estava junto), eu tinha montado a playlist da viagem e no meio tinha umas músicas de no One Direction e esse meu amigo, sem nem sabe de quem era a música, falou que curtiu e botou pra tocar de novo, quando eu falei pra ele que era One Direction ele até ficou surpreso. Agora sempre que saímos todos juntos ele pede pra colocar One Direction, uma coisa surpreendente pra alguém que já falou mal deles.
    Não tem problema você não gostar de um gênero, eu não suporto regae, pagode, funk, whatever, mas eu não preciso ficar julgando quem gosta, da mesma forma que eu amo e me identifico com as músicas do One Direction, tem gente que sente o mesmo por Anitta e qualquer outra artista. Isso que é maravilhoso na música, tem gêneros e artista suficiente para cada um se identificar e escolher o seu, imagine que chato seria o mundo se tivesse só pop, ou só rock e Deus me livre de um mundo onde só tenha reage (isso é um trauma na minha vida) hsuahusahusahsa

    ResponderExcluir
  5. Oi Ra, tudo bem contigo ???
    É engraçado como o ser humano consegue inventar preconceito para tudo né ?! As vezes eu paro pra pensar e fico angustiada, gente, assim como existe gosto para todo o tipo de coisa existe preconceito pra tudo nesse mundo. Chega a ser cômico o fato de que enquanto muitos de nós lutam contra as diferenças, outros se aproveitam destas para julgar, criticar e agredir o que é diferente.
    Com relação ao preconceito musical, confesso que já fui bem chata nesse aspecto. Xingava mentalmente qualquer um que gostasse de algum gênero que me irritava. É claro que nunca saí por aí falando mal de ninguém, mas mesmo apenas pensando naquilo eu já sinto como se fosse uma pessoa horrível.
    Todo mundo tem o direito de gostar do que lhe agrada, não vejo problema nenhum nisso, acho que devemos aprender a respeitar o gosto do outro e é claro, esperar que o outro também respeite nossos gostos. Só acho que a coisa fica complicada quando nós vamos contra os atos, as ações e escolhas do artista em si. Quando falamos sobre esse ou aquele comportamento, que já não tem mais nada a ver com a música e sim com o que aquilo pode trazer para os fãs (tanto mais jovens quanto mais velhos), sobre o que aquilo causa na sociedade, as pessoas enlouquecem, perdem a noção do que é música e gostar da música desse ou daquele artista, e partem para a loucura mesmo. Acho que falta um pouco de discernimento nesse sentido sabe ??? Cansei de ver talifãs por aí defendendo até a célula do artista quando esse fez sim algo errado.
    Enfim ... É um tema complicado né ???

    Beijinhos
    Hear the Bells

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Obrigada por me visitar!
Beijos.

contatoooldr@outlook.com