Conto: Por Outros Olhos

dezembro 05, 2014

Tenho um amigo na faculdade, Lucas De Vivo, que escreve muito bem e certa vez pedi que ele escrevesse um texto pro blog, para trazer algo novo pra vocês. Só não esperava que o que ele escreveu fosse tão bom quanto este conto.
Aproveitem!




Leo abriu os olhos, passou a mão pelo corpo, sentiu os ombros, os dedos tocando os braços, as unhas curtas raspando a superfície da pele. “Que sensação maravilhosa...”, pensou ele. Sentiu as pernas, que há muito tempo não sentia. Resolveu levantar da cama. Leo sentou-se, olhou para a porta fechada.

 Não sabia ao certo há quanto tempo estava naquele quarto 413 daquele hospital grande e azul naquela rua que ele não conhecia. A única coisa que ele tinha na memória eram aquelas duas luzes, aquele motorista no vidro acima delas, a estrada escura e o barulho, que só ele mesmo poderia descrever o quão assustador foi e ainda era. Levantou-se, caminhou até a porta do quarto, abriu-a com cuidado, por mais estranho que parecesse, ele não sentia dores, não precisava fazer tanta força para se locomover. Ele achava aquilo maravilhoso. Pisou fora do quarto. Aquilo era como se fosse um mundo novo que ele havia descoberto naquela manhã fria do dia 23 de fevereiro. 

O lugar estava cheio de médicos, macas e pacientes andando por todos os lados, mas isso não chamou a atenção do garoto. O que o fez correr foi uma estradinha, lá no fundo do corredor, que quase brilhava ao doce vislumbre de seu olhar infantil. Leo correu, correu como se não houvesse mais nada, mais ninguém. Só queria chegar lá. E chegou, olhando para os lados e para baixo, notou que andava em uma estrada de tijolos amarelos, e lembrou-se de algo mais. 

Lembrou-se do filme que havia visto com sua mãe não tinha certeza de quando nem em que situação, mas existia uma garota, um arco-íris e alguns personagens a mais dos quais ele pouco se recordava. Pisou no primeiro tijolo amarelo e sentiu-se em outro mundo, no mundo de seu filme que, naquele momento, por ser o único do qual lembrava, tornou-se seu favorito com a rapidez de um passo, de um piscar de olhos. Poucos metros a frente, o garoto olhou para o lado direito e viu um leão, e mais coisas vieram à sua cabeça. O animal levantou-se, como um humano se levanta e aproximou-se de Leo. 

- Olá garoto!
- Oi...- Disse a criança, meio assustada.
 - O que faz aqui? - Não sei ao certo...não lembro bem de muita coisa que aconteceu comigo. Mas estou lembrando disso aqui, do filme.

O leão riu, a risada mais gostosa que um animal daquele tamanho poderia dar, como se chacoalhasse toda a estrada com sua barriga que chacoalhava diante de tantas gargalhadas. 

- Sim! O filme! Você gosta?
 - Gosto! Mas é o único que eu lembro...
- O garoto coçou a cabeça.
- E precisa lembrar de outro? Esse é o melhor, não é?
– O leão piscou o olho direito, como se já soubesse de tudo que se passava pela cabeça do garoto. Leo riu.

- Não! – Ele estava feliz, mas pouco entendia a respeito do que estava acontecendo. O leão abaixou até ficar da altura dos seis anos do garoto.
- E você lembra de mim? – disse o animal, seu focinho quase tocava o rosto do pequeno Leo.

- Lembro, sim! Mas...por que você está aqui? Ele não sabia o que responder, mas após hesitar um pouco, achou a melhor resposta. A criança acreditava que ele sabia de tudo, e mesmo aquele momento de hesitação passou despercebido.

 - Você sabe o que é coragem não sabe? - Leo lembrou no ato.
- Coragem! Você já tem agora, né?
- Sim sim, eu tenho. – disse o leão.
- E eu tenho isso? – Leo queria saber mais do que qualquer coisa naquele momento. O animal ficou emocionado, e respondeu:
- Bem mais do que eu, garoto! – o leão riu. Ele se levantou, agora o nariz do menino atingia a metade de sua barriga.


- Vou te mostrar uma coisa, venha aqui. O garoto pegou na mão que o leão estendeu e acompanhou os passos lentos do animal.

- Está vendo aquela porta? Ele apontava para uma porta que exibia a forma de um arco, uma porta dupla de madeira. De lá emanava uma luz amarelada, como se do outro lado existisse o local mais claro que o garoto já havia visto.
 
- O que tem lá? – Ele perguntou
- Isso você vai descobrir por si mesmo!
 - E eu posso entrar?
- Ainda não, ainda não está na hora, tudo bem?
 - Tudo bem! – respondeu Leo, animado.

Ficaram ali parados um tempo, até que o garoto sentou-se de maneira infantil, as duas pernas esticadas para a frente, os pés descalços apontando para o alto e balançando para os lados. O sorriso em seu rosto era lindo. Depois de muito observar todos os arredores daquele local, ele perguntou: 

- Você disse que eu tenho aquela...modagem, potagem, cotagem..
- Coragem! – Mais uma vez as gargalhadas do leão encheram as lajotas douradas do caminho de alegria.
- Isso! Mas, por que eu tenho isso? Você ainda não me respondeu.
 - Mas é lógico! Me esqueci. O leão sentou-se junto do garoto, na mesma posição, em seus pés poderiam caber três dos de Leo.
- Vamos lá. Você sabe o que está fazendo aqui e que lugar é esse? - Acho que sei, lembro do barulho...aquele barulho – O garoto tremeu ao lembrar-se.
 - Sim, então, já que sabe, você sabe também que teve que enfrentar muitos desafios para chegar aqui, né?
- Tive?
 - Olhe sua perna. – Disse o animal, apontando com os olhos a perna direita do garoto. - Nossa! O menino olhou. Um grande corte vermelho começava em sua coxa e terminava no tornozelo, mas ele não sentia dor.
 - Fique tranquilo. – disse-lhe o leão. – Isso não vai doer mais.
- Obrigado... O animal olhou para o lado.
- Rapazinho, você fez tantas perguntas que eu quase perdi a hora! A porta está quase se abrindo. Temos que ir!

Dizendo isso, pegou as pequenas mãos do garoto e encaminhou-se para o arco, cujas portas abriam vagarosamente agora. Os olhos fechados de Leo causavam calafrios e incerteza em sua mãe, ela havia corrido até o hospital ao primeiro toque do telefone. As notícias eram as piores, aquelas que nenhuma mãe gostaria de ouvir. Ela estava ali, sentada ao lado da cama, suas mãos apertavam as do garoto com vontade e o aparelho próximo ao travesseiro de Leo apitava regularmente.

PI...PI...PI...PI...PI Desde o acidente o garoto estava lá, seis meses atrás um caminhão batera em cheio no carro onde estavam ele e seus pais. Seu pai, que dirigia o carro, não sobreviveu. Sua mãe teve leves ferimentos e ficou algum tempo internada no quarto ao lado daquele.

 Leo havia sido o mais prejudicado. A pancada havia causado um traumatismo craniano grave. O garoto estava em coma desde então.

PI..PI..PI..PI Os médicos corriam para lá e para cá, trocavam medicamentos, retiravam e inseriam agulhas e a mãe do garoto nem notava, só queria que o filho voltasse.

 PI.PI.PI.PI Leo estava na porta com o leão, agora quase totalmente aberta. O garoto olhou para cima.

- Papai! – gritou o garoto, pulando no colo do pai. E entrou. O leão ficou do lado de fora, esperando a próxima criança.

As maravilhas que Leo viu ao entrar por aquela porta, só ele mesmo poderia explicar, mas o sorriso em seu rosto minutos antes de encontrar o pai era sem dúvida o mais bonito que poderia existir. A porta se fechou. A mãe do garoto esboçou um leve sorriso ao ver que, por alguma razão, Leo parecia ter sorrido também. 

PIIIIIIIIIIIIII



Por Lucas De Vivo.
 

You Might Also Like

29 comentários

  1. Great content! Such a nice blog!

    xoxo,

    www.fashionerza.com

    I can rock any outfits, come follow my online diary

    ResponderExcluir
  2. Nossa!!!
    Que final foi esse???
    Triste e lindo ao mesmo tempo!!!
    Adorei muito!! Dê meus parabéns ao seu amigo, ele escreve muitooo bem!!!
    Parabéns mesmo!!

    Beijinhos, Bá.
    http://cafecomlivrosblog.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Ooi,

    O Lucas escreve muito bem mesmo!
    Eu ouvi quando ele leu o conto e ficou muito bonito. Acho que ele consegue criar contos maravilhosos e com temas extremamente tocantes.
    Deveria trabalhar mais nisso e tentar escrever um livro sei lá...

    Gostei bastante e espero que o povo leia hahahah

    Beijinhos,
    www.entrechocolatesemusicas.com

    ResponderExcluir
  4. PQP ! Alguém já mandou esse menino escrever um livro ?

    Amei o texto dele... e me emocionei também. Parabéns Lucas ! Você tem (MUITO) talento pra escrita :)

    Bjo Ra !

    | O Blog Que Não é Blog |

    | Sorteios Na Web |

    ResponderExcluir
  5. Olá!!!

    O Lucas realmente escreve muito bem, mas não esperava que viesse com um texto carregado de emoção. Parabéns!!

    resenhaeoutrascoisas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Parabéns pelo o texto, Lucas. Me fez lembrar aquele filme If i stay, a parte do hospital e tudo mais.

    www.sobrelentes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Oi, tudo bem?
    Nossa linda história e triste ao mesmo tempo.
    Emocionante, e faz arrepiar :'(
    Adorei, beijo

    Lost Words

    ResponderExcluir
  8. Cara, que história lindaaa!! Manda ele escrever um livro tipo agora, não to brincando haha ele tem talento.
    Adoro contos, leio vários na internet.
    Beijos
    www.hicultura.com

    ResponderExcluir
  9. Que historia linda. Amei. Manda ele escrever mas texto assim!!! Ele tem muito talento, parabéns!
    http://pensamentosdefabs.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. História emocionante, e cheia de surpresas. Achei linda demais, o teu amigo escreve muito bem, Raíssa.

    beijos
    http://mundo-restrito.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  11. TERCEIRO conto que leio no decorrer da semana que termina com a morte do protagonista… *chora litros* Por que os escritores estão querendo nos causar dor?
    Lucas, adorei seu personagem! Pena que ele não pôde ficar com a mãe… :(

    Beijos!
    http://myqueenside.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Nossa que bacana, ele realmente escreve muito bem
    Mande meus mais sinceros parabéns a ele.
    Beijos.
    www.estilogisele.com.br

    ResponderExcluir
  13. Meu deus, que história linda, pura e bem escrita!
    Continua postando os contos dele :)

    Beijos,
    Duas Leitoras

    ResponderExcluir
  14. Ele é muito talentoso! Que lindo e emocionante, parabéns!

    Beijos!
    livrosdawis.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  15. Olá, seu amigo realmente escreve muito bem. Parabéns a ele e pela sua iniciativa de trazer esse texto para suas leitoras. Amei!
    Bom fim de semana!
    Fica com Deus!
    Beijo!

    http://nannacunha.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  16. Eu já imaginava que ele fosse morrer, mas não que o caminho até a morte seria narrado tão lindamente. Parabéns ao teu amigo.

    http://www.novaperspectiva.com/

    ResponderExcluir
  17. Raissa, que delícia de conto *-* Apesar de ser triste, está muito bem escrito mesmo, parabéns ao seu amigo o/
    O nome do conto dele é bem parecido com o do meu, rs! Inclusive, hoje e amanhã (06 e 07/12) ele ("Com outros olhos") está disponível de forma inteiramente grátis na Amazon! Se quiser adquirir a obra, segue o link: http://migre.me/nmqvF
    Beijo grande ♥

    Thati;
    http://nemteconto.org


    ResponderExcluir
  18. Apesar de triste, o texto está excelente.
    Seu amigo escreve muito bem.

    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de dezembro

    ResponderExcluir
  19. Lindo texto e muito tocante, assistimos a ''O Mágico de Oz'' semana passada e ficou linda a referência que ele fez do filme sobre o leão e o caminho de tijolos amarelos,para um momento tão triste e emocionante.

    Beijos


    http://www.onlyinspirations.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  20. Que talentoso! Ótimo conto, parabéns!

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir
  21. Nossa, ele escreve muito bem, tanto quanto triste o texto, mas está muito bem escrito, me fez imaginar, estar ali! Sou péssima nessas coisas hahaha

    Beijoos, Love is Colorful

    ResponderExcluir
  22. Seu amigo escreve muito bem mesmo Raissa. Como gosto de ler percebi que ele estava indo para o "outro lado" por assim dizer. O conto é ao mesmo tempo triste e feliz!
    Perdi meu pai faz pouco tempo e ao mesmo tempo q queria ela aqui sei q tb não posso ser egoista e querer ele sofrendo do meu lado. como o leão disse, lá tudo deve parar de doer...
    Bjs

    http://achadosdamila.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  23. Que conto maravilhosoo, que mistura, que coisa, tão awn (sim, isso sou eu totalmente sem palavras haha) é felicidade tristeza tudo junto mas separado, não sei explicar, olha, eu espero mais contos dele por aqui viu? Amei, manda os parabéns para ele por mim <3


    @luanagabriely_ (Me acompanhe no twitter)
    http://damaindelicada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  24. Que interessante que ficou essa mistura do fantástico com uma história envolvente e encantadora, muito bem escrito :)


    Beijos
    Brilho de Aluguel

    ResponderExcluir
  25. adorei! ele realmente escreve mt bem!
    bom começo de semana lindona!

    www.tofucolorido.blogspot.com
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  26. Realmente ele escreve muito bem adorei o texto e a forma que os personagens se comunicaram bem legal mesmo
    beijos

    http://loucaapaixonada22.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  27. Como é bom ver que as sementes q plantamos amadureceu e deu frutos maravilhosos!
    Que delícia de texto! Triste, emocionante e ao mesmo tempo um novo sentido de encarar um momento tão difícil na vida!
    Perder alguém que amamos não é fácil!
    Mas com certeza fica "mais leve" se o leão aparecer e os pezinhos ficarem batendo esperando o que vem por aí!
    Muito orgulho de você filho!

    ResponderExcluir
  28. Que conto maravilhoso !!!
    Parabéns ao autor por sua criatividade e bela escrita !!!
    Não consegui parar de ler até terminar, confesso que não esperava por esse final, mas ele não poderia ter sido melhor !!!
    Muito obrigada Raissa por compartilhar esse texto, por favor, diga a seu amigo para nunca parar de escrever !!! ^^

    Beijinhos
    Hear the Bells

    ResponderExcluir

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Obrigada por me visitar!
Beijos.

contatoooldr@outlook.com

Canal

Canal
Se inscreva!

Facebook

Estou lendo

Estou lendo
A Maldição do Tigre